LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNETE

LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNETE
LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNET, DE IBICARAÍ PARA O MUNDO - AVENIDA SÃO VICENTE DE PAULA

CONHEÇA NOSSO SITE E OS NOSSOS SERVIÇOS AGORA, CLICK NA IMAGEM E VEJA.

ESTÁ EM CASA, PENSOU EM PIZZA, LEMBROU PIZZARIA PRIMEIRA¨OPÇÃO.

ESTÁ EM CASA, PENSOU EM PIZZA, LEMBROU PIZZARIA PRIMEIRA¨OPÇÃO.

VISITE A MULTESCRITA SOLUÇÕES EM CONTABILIDADE RUA 2 JULHO Nº 35 - 1º ANDAR

18 de janeiro de 2016

Novo ICMS dificulta vida de pequenas lojas virtuais, dizem tributaristas.


Muitas empresas foram pegas de surpresa pela regra de partilha do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) entre os estados, em vigor desde o começo do ano. Pequenos negócios – especialmente os que atuam no comércio eletrônico e adotam o Simples Nacional – terão mais dificuldades em adaptar-se, avaliam tributaristas ouvidos pelo G1.
Pela nova regra, uma loja de São Paulo que vender vinhos nacionais pela internet para um consumidor do Piauí precisa agora dividir a arrecadação do imposto com o estado que recebe a mercadoria.
Antes da mudança, essa empresa recolhia toda a alíquota do ICMS apenas para São Paulo. O cálculo era bem mais simples.
“O estado de origem ficava com toda a parte do bolo da arrecadação e o estado que consumia nada arrecadava. Então nada mais justo que repartir o ICMS entre os dois estados”, avalia o diretor tributário da Confirp Consultoria Contábil, Welinton Mota.
Motivo da partilha
Alguns estados com menos lojas de comércio eletrônico, especialmente no Norte e Nordeste, passaram a reclamar que a arrecadação do ICMS caiu devido à concorrência das empresas virtuais de outros estados, criando a chamada "guerra fiscal". O quadro se agravou com o boom de vendas online nos últimos anos.
O objetivo da medida, portanto, é tornar a partilha de impostos mais igualitária entre o estado que vende e o que consome. Mas essa divisão não é simples. “A maior dificuldade para as empresas é que o cálculo é muito complexo”, explica Mota.
A regra só vale para empresas que vendem para o consumidor final. Ou seja, pessoas físicas ou empresas prestadoras de serviços, como escolas e órgãos públicos, que não vão revender o produto que adquiriram.

O ICMS é cobrado sobre tudo o que se consome no país. É um dos que mais pesam no bolso do consumidor. Ele incide sobre produtos e serviços considerados essenciais, como telefonia e telecomunicações, e também os supérfluos, como cosméticos, bebidas alcoólicas e cigarro. O consumidor paga o ICMS embutido no preço do que compra.
Fonte; G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, mas lembre-se que este blog é acessado por famílias, mulheres, e pessoas de bem.