LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNETE

LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNETE
LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNET, DE IBICARAÍ PARA O MUNDO - AVENIDA SÃO VICENTE DE PAULA

CONHEÇA NOSSO SITE E OS NOSSOS SERVIÇOS AGORA, CLICK NA IMAGEM E VEJA.

ESTÁ EM CASA, PENSOU EM PIZZA, LEMBROU PIZZARIA PRIMEIRA¨OPÇÃO.

ESTÁ EM CASA, PENSOU EM PIZZA, LEMBROU PIZZARIA PRIMEIRA¨OPÇÃO.

VISITE A MULTESCRITA SOLUÇÕES EM CONTABILIDADE RUA 2 JULHO Nº 35 - 1º ANDAR

28 de fevereiro de 2015

Lava-Jato: dois executivos da Camargo Corrêa assinam acordo de delação premiada.


BRASÍLIA - A onda de delações de réus da Operação Lava-Jato, que vem alimentando as investigações desde o ano passado, ainda não terminou. Dois executivos da construtora Camargo Corrêa - o presidente Dalton dos Santos Avancini e o vice-presidente Eduardo Leite - fecharam, na noite desta sexta-feira, acordos de colaboração com a força-tarefa que investiga fraudes em contratos de empreiteiras com a Petrobras. Já João Ribeiro Auler, presidente do Conselho Administrativo da construtora, ainda está negociando com os procuradores.


As delações podem tornar as investigações ainda mais explosivas. A Camargo Corrêa foi uma das primeiras empresas flagradas em transações financeiras com o doleiro Alberto Youssef, operador do pagamento da propina no esquema de desvios da Petrobras. A Camargo também é uma das empresas com mais doações para campanhas políticas. Os executivos teriam decidido colaborar por três motivos: prisão prolongada, dificuldade para enfrentar as investigações e risco de condenação à prisão em regime fechado.

Está sendo negociada a possibilidade de revelações de fraudes não só na Petrobras, mas também em outras áreas de atuação da Camargo Corrêa. Na mira dos procuradores estão obras e serviços em hidrelétricas, rodovias e ferrovias. Os executivos da empreiteira resistiam à ideia de falar sobre outros assuntos fora do tema principal da Lava-Jato.

Mas, nos últimos dias, o ambiente mudou e as partes já se entenderam sobre os pontos principais do acordo.


BENEFÍCIOS SÃO DISCUTIDOS

Estão sendo preparados acordos individuais. Os benefícios para os delatores deverão ser estabelecidos em função da importância das informações a serem fornecidas por eles. Nesta sexta-feira, as negociações giravam em torno dos benefícios, que vão da redução de penas até a não aplicação do regime fechado.


Nesta sexta-feira, o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, ouviu funcionários da Camargo Corrêa arrolados como testemunhas de defesa dos executivos Dalton dos Santos Avancini e João Ricardo Auler. Os depoimentos de Alessandra Mendes da Silva, Eduardo Maghidman, Jorge Yasbek, Enes Faria e Rodoal Schlemm foram feitos por videoconferência. Segunda-feira, serão ouvidas as testemunhas de Eduardo Leite, outro executivo da Camargo Corrêa.

Até o momento, a força-tarefa da Lava-Jato fechou 13 acordos de delação premiada, entre eles as confissões do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef. Os executivos das empreiteiras estão presos desde a nona fase da Lava Jato, deflagrada em 14 de novembro passado.



 Fonte; O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, mas lembre-se que este blog é acessado por famílias, mulheres, e pessoas de bem.