LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNETE

LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNETE
LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNET, DE IBICARAÍ PARA O MUNDO - AVENIDA SÃO VICENTE DE PAULA

CONHEÇA NOSSO SITE E OS NOSSOS SERVIÇOS AGORA, CLICK NA IMAGEM E VEJA.

ESTÁ EM CASA, PENSOU EM PIZZA, LEMBROU PIZZARIA PRIMEIRA¨OPÇÃO.

ESTÁ EM CASA, PENSOU EM PIZZA, LEMBROU PIZZARIA PRIMEIRA¨OPÇÃO.

VISITE A MULTESCRITA SOLUÇÕES EM CONTABILIDADE RUA 2 JULHO Nº 35 - 1º ANDAR

10 de julho de 2016

“Penduricalhos de nomeação política retiram [da Emasa] milhões de reais por ano”.


Erick Félix Maia, diretor licenciado do Sindae (Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente da Bahia) e integrante do Comitê em Defesa da Emasa, relata sobre as providências tomadas pela entidade diante do escândalo de corrupção na empresa. As irregularidades teriam movimentado quase meio milhão de reais, segundo cálculos do Ministério Público. De acordo com Maia, o sindicato precisou acionar o MP, porque a funcionária que havia feito uma denúncia em forma de desabafo para o prefeito Claudevane Leite estava sendo perseguida.

Como a Emasa tem se posicionado frente às recentes denúncias de corrupção?
Depois da prisão do diretor responsável pelo Planejamento e Expansão, José Antônio Santos, e do funcionário Pedro Barreto, a diretoria da empresa emitiu nota pública dizendo que a corrupção era fato isolado e que apoiava a ação do MP [Ministério Público].


O sindicato já tinha conhecimento do esquema que movimentou quase meio milhão de reais na venda ilegal de água?
Sim. Sempre existem fatos na Emasa ou em outras empresas, envolvendo malfeitos, que todos sabem, mas ninguém tem coragem de denunciar. Assim, o Sindae sabia desse esquema pelo que se comentava por todos os cantos da empresa.

Vocês têm uma estimativa de quantos integrantes do quadro da emasa estão envolvidos nas irregularidades?
No esquema de venda ilegal de água houve envolvimento ou conivência de outras pessoas, mas esses estão sendo investigados pelo MP. Não poderia quantificar. Mas existe outro esquema em investigação de “farra de diárias” e autoadiantamento de vencimentos, que envolve outros diretores da Emasa.

Foi o Sindae que provocou o Ministério Público?
Sim. O Sindae teve que agir porque uma funcionária da Emasa estava sendo perseguida pela diretoria da empresa, porque fez as denúncias ao prefeito Vane em tom de desabafo numa reunião dos trabalhadores em frente ao portão da ETA [Estação de Tratamento de Água], no bairro São Lourenço. Ela pegou suspensão de três dias e depois um processo administrativo disciplinar, a que até o momento está respondendo. Foi necessário ajudá-la; assim, o sindicato atuou em conjunto com o MP [Ministério Público].

Qual a expectativa da entidade sindical no que se refere à punição dos envolvidos?

Acho que qualquer cidadão espera que a justiça seja feita. Mas existem outras situações extremamente lesivas à Emasa, que são os penduricalhos de nomeação política, que retiram, com pagamentos de salário, encargos e benefícios, milhões de reais por ano. Dinheiro que deveria ser investido na melhoria dos serviços. Assim, esperamos que essa operação do MP e a crise hídrica façam com que a comunidade itabunense possa abraçar a campanha que será iniciada pelo Comitê [em Defesa da Emasa], que tem como proposta a autonomia técnica e gerencial da Emasa, a exoneração de todos os funcionários não concursados da empresa e a criação de um conselho popular com representação de vários segmentos sociais, para ajudar a construir uma empresa sustentável e voltada para atender aos interesses do povo de Itabuna.
Fonte; Diário Bahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, mas lembre-se que este blog é acessado por famílias, mulheres, e pessoas de bem.