CLIQUE NA IMAGEM E BAIXE AGORA O APLICATIVO DA NOSSA WEB RÁDIO ABN.

LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNETE

LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNETE
LIGMAX O SEU PROVEDOR DE INTERNET, DE IBICARAÍ PARA O MUNDO - AVENIDA SÃO VICENTE DE PAULA

CONHEÇA NOSSO SITE E OS NOSSOS SERVIÇOS AGORA, CLICK NA IMAGEM E VEJA.

ESTÁ EM CASA, PENSOU EM PIZZA, LEMBROU PIZZARIA PRIMEIRA¨OPÇÃO.

ESTÁ EM CASA, PENSOU EM PIZZA, LEMBROU PIZZARIA PRIMEIRA¨OPÇÃO.

VISITE A MULTESCRITA SOLUÇÕES EM CONTABILIDADE RUA 2 JULHO Nº 35 - 1º ANDAR

22 de agosto de 2014

Biochip que faz mão virar um controle remoto já está em BH.


Sede do laboratório que trouxe o equipamento ao país é inaugurada na Universidade Fumec
Enviar por e-mail Imprimir Aumentar letra Diminur letra Fonte NormalMais Notícias
 01 Na capital. Três pesquisadores buscam aprimorar a tecnologia TREINO DO CRUZEIRO MG Medida. Dispositivo mede 2 mm, o tamanho de um grão de arroz
Os biochips que prometem revolucionar, em um futuro bem próximo, a forma como vamos poder dispensar chaves, senhas, códigos de barras e, ainda assim, ter privacidade e segurança, já estão em Belo Horizonte. Em reportagem de novembro do ano passado, O TEMPO adiantou com exclusividade que o equipamento estava próximo da realidade dos mineiros e, neste fim de semana, cerca de 40 amantes e pesquisadores de tecnologia participaram da inauguração oficial da sede da Área 31 Hackerspace, na Universidade Fumec – primeiro laboratório comunitário, aberto e colaborativo, que possibilitou a vinda dos primeiros biochips ao país.
VEJA TAMBÉM
 video Adolescentes brasileiros ajudam Nasa a aperfeiçoar aplicativo video Chip 9 mil vezes mais eficiente que computador 'imita' o cérebro Mais
O dispositivo, que mede cerca de 2 mm – aproximadamente o tamanho de um grão de arroz –, foi desenvolvido pelo norte-americano Amal Graafstra, que queria acessar seu escritório com mais facilidade. Desde 2005, ele possui um chip em cada mão.
Os implantes funcionam por radiofrequência compatível com Near Field Communication (NFC). Essa tecnologia permite comunicação em curta distância entre dispositivos, sem a utilização de fios e configurações adicionais, apenas aproximando a mão ao leitor.
Segundo um dos fundadores do laboratório, Ewerson Guimarães, alguns testes para aumentar a capacidade de armazenagem de dados – que hoje é de até 144 bytes por chip – já estão avançados.
“Recebemos três chips e já fizemos testes de esmagamento, e o material implantado em uma coxa de frango aguentou um impacto de 51 kg e em silicone 15 kg. Também já conseguimos guardar mais dados nos chips e agora vamos começar a fazer algumas coisas como, por exemplo, transformar uma fechadura analógica em digital”, explica.
Em casa. Um dos focos dos três pesquisadores é utilizar a tecnologia para automação residencial (controle da iluminação da casa, por exemplo), e, exigindo poucos movimentos para atender às necessidades do usuário, o chip poderia beneficiar pessoas com deficiência.
De acordo com Guimarães, cerca de 20 pessoas já manifestaram interesse em participar dos testes e implantar o biochip. Um dos interessados é o administrador de redes, Alan Galvão, 33.
“A principal expectativa é o que pode ser gerado de funcionalidades, primeiro para a ciência, depois para nós mesmos e para as empresas, garantindo a confidencialidade. É um recurso muito novo e que assusta, mas ainda existe muita anticultura, pessoas que não têm conhecimento dando opinião. Pra mim, (o biochip) é a mesma coisa de ter um número da sua carteira de identidade do tamanho de um grão de arroz”, diz Galvão comemorando a chegada do material.
Apesar do interesse, o administrador prefere esperar mais um pouco (para fazer o implante). “Vou esperar aumentar a capacidade de armazenagem, mas não é preciso ter medo, estamos falando de uma infinidade de possibilidades”, diz.
Laboratório
Programação. Para saber mais sobre os horários de visitas e a programação do laboratório, que fica na Universidade Fumec, em Belo Horizonte, é só entrar no site www.area31.net.br.
Kits devem custar aproximadamente R$ 250
Os biochips são originalmente vendidos pela empresa Dangerous Things, com fabricação na Alemanha, mas o laboratório Área 31 Hackerspace vai ser o revendedor autorizado no Brasil para a comercialização dos biochips, que serão vendidos em kits que custarão cerca de R$ 250.
A previsão dos pesquisadores é de que até o meio do ano as melhorias que estão sendo testadas no biochip já estejam bem-desenvolvidas.
Para isso, Raphael Bastos – um dos envolvidos nos estudos – deve instalar a tecnologia no seu carro ainda nesta semana. “A gente já está conversando também com algumas oficinas para começar a fazer a integração com automóveis e a instalação vai ser super simples”, conta Ewerson Guimarães.

Convênios com tatuadores também estão em fase de negociação para a implantação autorizada do produto, uma vez que o processo é semelhante ao de um piercing.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, mas lembre-se que este blog é acessado por famílias, mulheres, e pessoas de bem.